Tens fome de quê?

06-04-2020

Actualizado em 21/04/2021

Tenho lido muitos avisos para tomarmos cuidado com a fome emocional nessa época de isolamento social. Por muitos anos eu padeci desse mal, mas não sabia que era algo real. Achava que estava só! Quantos médicos me ouviram explicar que a minha fome não passava... Quantos médicos prescreveram ansiolíticos e nada mais... De facto, eu estava só na minha busca...

Levei anos para perceber que eu tinha fome de vida, de amor, de realizações, de segurança, enfim, de sentir-me plena e feliz. O problema era o facto de eu não reconhecer essas "fomes". Além disso, eu não tinha com quem partilhar essa angústia e fiquei sem perceber o que acontecia comigo. A única certeza que eu tinha era que as coisas corriam mal. Assim, quando mais angústia, mais fome, quanto mais fome, mais ganho de peso, quanto mais ganho de peso, mais tristeza, quanto mais tristeza, mais fome...

O meu ciclo de fome emocional
O meu ciclo de fome emocional

Somente quando cheguei no fundo do meu poço e comecei a estudar sobre o assunto, pude perceber exactamente o que aconteceu comigo e, é justamente isso, que quero partilhar contigo neste texto.

Já percebeste que, às vezes, as pessoas comem porque estão chateadas, stressadas, entediadas, preocupadas, frustradas ou felizes? Eu mesma já comi para comemorar o facto de ter emagrecido! No entanto, comer por razões emocionais inevitavelmente leva a comer demasiado, levando ao inevitável ganho de peso.

A matemática é bem simples: comida a mais = peso a mais. Não tem jeito!

A primeira coisa que deves fazer para sair desse circuito é aprenderes a diferenciar entre fome emocional e fome física (real). Além disso, aprender a lidar com as estas emoções de outras maneiras, além de comer, pode ajudar-te a perder peso ou manter o teu peso, mas isso é conversa para uma outra publicação.

O que é a fome física?

A fome física é provocada por uma verdadeira necessidade de alimentos e se desenvolve gradualmente ao longo do tempo, ou seja, não surge de repente. Quando sentes fome real podes esperar para comer, se precisares, e depois de comer até o estômago ficar saciado. Facilmente consegues parar de comer.

Quando a fome é real, sentes necessidade de comer, mas não necessariamente qualquer alimento em particular. Qualquer comida que gostes e estiver disponível irá satisfazer a tua fome e não te sentirás culpada depois de terminares de comer.

O que é a fome emocional?

A fome emocional é uma resposta a um sentimento, bom ou ruim, e geralmente envolve o desejo de um alimento ou tipo de alimento específico. Esses alimentos costumam ter um alto teor de gordura e/ ou açúcar e, mesmo que já estejas saciada, às vezes, continuarás a comer até que a comida acabe. Esse tipo de fome ocorre repentinamente e sentes a necessidade de comer imediatamente. No entanto, quando terminas de comer, muitas vezes sentes-te culpada ou envergonhada.

Ciclo da fome emocional
Ciclo da fome emocional

Quem, nunca?

Eu bem me lembro de quantas vezes comi desalmadamente um pacote de bolachas recheadas, de seguida ao almoço, ou, então, uma pizza inteira, ou uma enorme porção de pipocas ou batatas fritas. Isso sem contar na enorme quantidade de doces e bolos. Lembro-me de ter fome emocional desde os meus 15 anos e, até hoje brincam comigo em família por causa de dois hambúrgueres enormes (tipo Big Mac) que comi após o término de um namoro nessa idade.

A tal fome específica sempre foi a minha companheira e a culpa vinha no seguimento. Comia por impulso o que sabia fazer-me mal. Imediatamente após o prazer de comer (ou seja, logo após engolir), lá vinha a culpa! «Por que eu comi isso? Eu sei que me faz mal, mas não consigo controlar-me!» Então, lá vinha a fome novamente e um sabotador a dizer: «Come, boba, já estás gorda mesmo!»

Hoje, após ouvir o relato de inúmeras mulheres percebo que eu não era a única a ter este tipo de comportamento. Sinto um alívio duplo, pois além de saber que nunca estive só, agora eu posso ajudar a quem, assim como eu, deseja livrar-se deste ciclo que parece não ter fim.

Ferramentas que te podem ajudar

Já percebeste que muitas vezes comes por impulso? Pois...

Para evitar isto, para e pensa. A sério, é isso! O tempo de refletires dará ao teu cérebro todas as condições de perceberes se a fome é real ou emocional. 

As ferramentas a seguir te poderão ajudar nesse processo.

Escala da fome:

O uso da escala de fome pode ajudar-te a determinar se estás a comer com fome real ou emocional. Numa escala de 1 a 10, na qual 1 significa que estás com muita fome e 10 significa que estás excessivamente cheia e não poderias comer mais nada.

Assim, antes de comeres algo, coloca o teu nível de fome nessa escala. Se for cinco ou mais, é mais provável que comas por razões emocionais, em vez de sentires fome. Só deves comer quando tiveres cerca de três ou quatro na escala. Atenção para não esperar até chegar a um, caso contrário poderás comer demais. Para de comer quando atingir sete na escala de fome.

Diário alimentar:

Manter um diário alimentar pode ajudar-te a perceber quando tendes a comer com fome emocional e quais os alimentos que desejas durante estes tempos. Quando sentires fome emocional, planeie o que farás ao invés de comer, como ligar para um amigo, assistir a uma série ou ler um livro. Sempre ajuda.

Substituição

Quando sentires aquela fome específica pensa: a fome vai passar se eu comer um prato de brócolos ou uma salada? Se a resposta for negativa, não satisfaça o teu desejo, pois a fome é emocional.

Por fim, não tenhas em casa alimentos de conforto (as conhecidas asneiras/ besteiras) e aguarda uns cinco minutos antes de comer quando começar a sentir "fome". Assim poderás perceber se estás realmente com fome ou apenas a buscar comida por hábito, ou por razões emocionais.

Conclusão

Neste artigo abordei uma questão que sempre me deixou perplexa: a fome que nunca passa. Por anos eu senti fome emocional sem ao menos saber do quê se tratava. O resultado foi a obesidade, doenças e muita culpa ao longo dos anos.

Então, querida amiga, tens fome de quê?

Observa se a tua fome é real ou não. Lembras-te que uma fome repentina de algo específico é sempre fome emocional. Utiliza as ferramentas descritas neste texto para que possas ser a dona da tua vontade e do teu corpo. Se, mesmo assim, ainda sentires fome, podes sempre contar comigo.

-----

Obrigada por teres chegado até aqui. O teu comentário é muito importante para que eu possa melhorar os conteúdos apresentados.

A divulgação das publicações ajuda o blog a crescer. Caso julgues que este conteúdo é útil, não hesite em partilhar.

------

Em 2020 iniciei o meu projecto "Conversas com quem deseja emagrecer". Um grupo de apoio online, no qual são abordados e discutidos em grupo temas referentes ao comportamento da nossa mente frente ao processo de emagrecimento. Além disso, serão fornecidas ferramentas que ajudar-te-ão a driblar a fome emocional. O próximo grupo terá início maio. Para reservas basta clicares aqui.

Até breve!


Comments System WIDGET PACK